Encontrar o candidato ideal para vagas que exigem especialização em novas tecnologias, denominado como perfil de alta complexidade em TI, se tornou um Calcanhar de Aquiles no mercado de recrutamento. O caminho é buscar a própria tecnologia para ajudar a encontrar profissionais que atendam às demandas cada vez mais escassas no setor.

Na ConquestOne, especialista de staffing em Tecnologia da Informação e que detém uma base de 130 mil candidatos, o caminho de inovação para atender com rapidez e eficiência seus clientes foi criar um laboratório para acelerar startups que tivessem iniciativas para o setor de recursos humanos, o CQ1Lab. A investida já está dando resultado e a ConquestOne acaba de incorporar uma solução de chatbot para recrutamento e seleção.

Utilizando inteligência artificial, as descrições do profissional ideal são integradas no bot, disponibilizado via Messenger do Facebook, e traz perguntas relevantes sobre as vagas aplicadas. Utilizando a rede social, é possível atingir novos perfis e em diferentes localidades. Nesta etapa é validado o conhecimento do candidato e se ele está apto a seguir na triagem da seleção.

“Aquele processo, que antes era feito com uma ligação para um primeiro contato de reconhecimento de habilidades, o que demandava aproximadamente 15 minutos de um consultor para cada ligação, passa a ser feito automaticamente pelo sistema, economizando 10 horas de ligações diárias. Para cada dois candidatos identificados com o perfil ideal e aptos a participar da fase final do processo, eram gastos um total de 28 horas ao telefone. Com o chatbot, esses mesmos dois profissionais chegam a fase final do processo necessitando apenas de uma hora das analistas no telefone, reduzindo em 96% o tempo de ligações para a execução do processo”, comenta Marcelo Vianna, CHRO da ConquestOne.

Cada vez mais as consultorias especializadas em recolocação profissional precisam criar mecanismos para deter o maior alcance possível. “Ganhamos agilidade no processo, damos a resposta mais rápida aos clientes e os profissionais acessados conseguem retornar com mais rapidez, pois escrever uma mensagem no celular é mais adequado do que atender a uma ligação quando o candidato está trabalhando”, explica Vianna.

O próximo passo da ConquestOne é ampliar sua capacidade de inteligência artificial do seu sistema de gestão, desenvolvido na plataforma low-code do GeneXus, desenvolvedora global de soluções baseadas em Inteligência Artificial, para obter mais capilaridade na busca e disponibilização de candidatos. E os investimentos da consultoria vêm em boa hora em função da escassez de mão de obra no mercado de TI.

O avanço de novas tecnologias e a falta de mão de obra especializada deve representar um déficit de 290 mil profissionais até 2024, segundo a Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom). “Estamos nos preparando para buscar os candidatos onde eles estiverem”, finaliza Antônio Loureiro, CEO da Conquest One.

Inovação na veia
Para avançar no desenvolvimento e na adoção de novas soluções para suprir as demandas do mercado, que evolui de forma acelerada, principalmente no setor de TI, a ConquestOne transferiu sua operação para um coworking global. O modelo de trabalho neste ambiente está promovendo à empresa mais proximidade com outras organizações focadas em inovação e mais agilidade.

“O novo espaço está ampliando nossa capacidade de atuação e estar num ecossistema aberto vem trazendo um amplo conhecimento, além de tornar nosso trabalho mais ágil, colaborativo e enxuto. Isso significa ter dado mais condição à nossa organização de focar naquilo que de fato interessa: nosso negócio”, finaliza Loureiro.

Pode te interessar

Chatbot auxilia consumidor no setor odontológico

Descubra como configurar o atendimento com bots nas redes sociais

A robotização veio para ficar!