Em 2016 a história vai se repetir, mas dessa vez para um novo público. As equipes de Desenvolvimento e Operações têm se transformado culturalmente para se adaptarem ao infinito crescimento das expectativas do cliente para as equipes de negócio mas não com elas. Agora, com as ferramentas disponíveis para promover a colaboração entre estas equipes numa língua comum, as organizações mais maduras começarão a adotar as práticas de gerenciamento de desempenho digital, uma evolução do APM. Juntas, estas três equipes - Negócios, Operações de TI e Desenvolvimento - irão se inovar rapidamente, eliminando a complexidade e entregando uma melhor experiência ao cliente.

Se você já leu ou viu o trabalho de Daniel Burrus sobre "fazer previsões", você vai entender o seu conceito de separar as tendências por hardware e software. Se suas previsões são baseadas em certezas absolutas (tendências hard), sua capacidade de planejar vem com uma taxa de eficácia muito maior. Elas realmente deixam de ser previsões, quando você as observa dessa maneira.

Os Fatos mensuráveis, tangíveis e totalmente previsíveis ou "tendências hard" para 2016 são:

  • As empresas devem oferecer grandes experiências aos clientes para sobreviver.
  • As empresas precisam tanto de métricas qualitativas quanto de quantitativas da experiência do cliente para tomar decisões precisas.
  • As empresas precisam ter colaboração interna para ter sucesso.

A forma como a empresa irá executar esses itens são as tendências soft e se alinham com minhas previsões afirmadas anteriormente. Equipes de Marketing Digital têm notado um pico nas funcionalidades Gestão de Experiência do Cliente e Plataformas de Experiências Digitais, enquanto equipes de Desenvolvimento e Operações de TI têm visto semelhante saturação das opções do Gerenciamento de Performance de Aplicações.

Nenhuma solução é perfeita e ambos têm os mesmos problemas!

Estou ansioso para 2016 e sou otimista sobre correlações e eventuais integrações que acontecerão por meio de análises, quando elas forem compartilhadas pelos dois lados. As empresas alcançarão seus objetivos com maior eficiência, uma vez que vão obter um alinhamento de análise quantitativa dos negócios que vêm com soluções de experiência do cliente e análise de TI quantitativa que vem com soluções de Gerenciamento de Performance de Aplicações. Quando isso acontecer, os clientes também irão receber mais do que eles querem - quando eles quiserem - e melhor do que nunca.

Ryan Bateman Ryan é Diretor de Marketing da Dynatrace

Leia mais

Como ter a preferência dos clientes na hora de decidir a compra

4 atitudes que podem melhorar o relacionamento com o cliente

O que esperar do mercado de tecnologia para atendimento ao cliente em 2016