Com a volta do funcionamento dos comércios, mesmo que em horários reduzidos, já se sabe que a normalidade das atividades não voltará tão rápido. Este foi o resultado de uma pesquisa realizada pela Refuture.biz, em parceria com a Ana Lima Comunicação, entre os dias 01 e 17 de junho de 2020, sobre hábitos de consumo pré e pós pandemia. A pesquisa foi feita online, levando-se em consideração a frequência das pessoas em shoppings, bares, restaurantes, cinemas, teatros e outros locais de entretenimento.

O objetivo é entender como ficarão os destinos de comércios nas áreas da gastronomia, entretenimento, varejo, informação, compra on-line e compartilhar com o público, quais serão as tendências de consumo, neste novo normal.

Antes da pandemia, os shoppings eram considerados espaços de lazer e entretenimento. Os frequentadores aproveitavam o espaço para assistir um belo filme, saborear um almoço diferente, brincar com as crianças ou até mesmo frequentar um salão de beleza, banco ou academia. Mas, o que foi levantado na pesquisa da Refuture.biz, mostra que a partir de agora, o espaço do shopping voltará a ser um local para consumo.

Esta mudança irá gerar um impacto considerável na maneira como os lojistas deverão se relacionar com seus clientes. Só irá ao shopping, quem realmente precisar comprar algo. Aquele tempinho apenas para bater perna, já está fora de cogitação. Pelo menos 40% das pessoas frequentam esses locais uma vez ao mês. Ao responderem as perguntas da pesquisa, 34% alegou não voltar tão cedo a estes lugares, enquanto a vacina contra o coronavírus não for lançada.

"Apesar de shoppings serem espaços fechados e com circulação de ar feita por sistemas unificados de ar, 23% dos participantes da pesquisa disseram que vão manter a frequência de antes da pandemia, mas com os devidos cuidados sanitários. E 45% afirmou que evitará ao máximo, mas caso decida ir também estarão atentos às medidas sanitárias dos shoppings", esclarece Camila Machion, co-criadora da Refuture.biz.*

Entre os bares e restaurantes, os resultados foram diferentes. Dos participantes da pesquisa, 63% frequentam estes locais, ao menos 1 vez ao mês, mas no retorno das atividades, prestarão atenção aos cuidados contra o coronavírus. Isso fará com que os comerciantes mudem de atitude. Para recuperar o movimento e conquistar a confiança do público, terão que oferecer todas as medidas de higiene e segurança, pensando na saúde do consumidor. Além disso, manter o cliente informado sobre a reabertura do local, criará uma comunicação indispensável, para fidelizar as pessoas. Também será importante pensar em quem se acostumou com a segurança, de receber seus produtos no conforto de suas casas. Então, aproveite o momento e continue fazendo delivery.

Pode te interessar

Pesquisa mostra mudanças no comportamento de consumo

Estudo da Cognizant decifra comportamento da geração Z

Comportamento do consumidor muda diante da pandemia